Um ponto muito importante em qualquer ambiente é a iluminação, além de crucial para a gente enxergar durante a noite, ela pode deixar o ambiente lindo ou acabar com o seu espaço quando utilizada de forma errada.

Em alugados, o mais comum mesmo é o ponto central de iluminação (aquele que me dá até calafrios!), ou seja, quando temos uma única luminária no centro do espaço. E o resultado disso? Casas mal iluminadas e que não atendem as necessidades da vida cotidiana, além de muito caidinhas esteticamente. Felizmente, aqui trabalhamos com soluções e nem tudo está perdido! É mais fácil do que você imagina ter uma iluminação aconchegante, menos dura e feia.

Fonte @meuapartamentinho

Luz amarela ou branca?

Tudo começa na escolha da cor das lâmpadas! Essa, inclusive, foi uma das minhas primeiras preocupações quando me mudei: comprar as benditas lâmpadas amarelas. Existe uma crença de que luzes amarelas não iluminam bem, mas você consegue ver que isso é uma mentira clicando aqui  e uma coisa é fato: o aconchego que elas trazem é indiscutível! Por isso, dentro de casa eu aconselho as amarelas!

Na hora de comprar uma lâmpada, pegue a embalagem e preste atenção em um item chamado temperatura de cor e ao valor especificado nele. Por exemplo, uma lâmpada incandescente de 3000K, quer dizer que a cor da luz emitida é aquele amarelo que estamos acostumados (uma cor quente). Quanto maior esse valor, mais branca/azulada será a luz emitida, ou seja,uma cor mais fria.

Hoje, existem lâmpadas em diversas temperaturas (ou seja, cores!) inclusive amarelas mais esbranquiçadas (isso mesmo que você leu! rsrs. São as de 4000K), para áreas como cozinhas, lavanderias e banheiros, por exemplo. Então, sem desculpa, né? Mesmo que você não goste de luz amarela, essas não vão te decepcionar!

E a má iluminação?

A temperatura de cor não soluciona o problema de falta de iluminação, mas já resolve a questão do bem-estar e conforto luminotécnico. O que vai te ajudar a aumentar a quantidade de luz no ambiente é um outro item que deve ser observado na caixinha da lâmpada: os lúmens. Aqui não tem segredo: quanto maior for o número de lúmens, maior será a quantidade de luz que a lâmpada terá! Então, chega de olhar o número de watts e achar que só isso importa, tá?

Agora que você já sabe qual a cor de lâmpada comprar, que tal tirar aquele plafon tristinho e dar lugar a uma luminária charmosa? Veja algumas ideias:

Trilhos

Fonte Casa de Valentina

Trilhos estão entre as melhores opções, tudo isso pela facilidade ímpar de instalação (ele só precisa de 1 ponto elétrico) e a possibilidade de ter mais iluminação no mesmo espaço, afinal, ele é composto por vários spots. Existem modelos com spots de LED (sem necessidade de lâmpada a parte) e modelos comuns, para colocação de lâmpadas separadas. Tudo isso com uma carinha bem moderna e uma funcionalidade excelente.

Pendentes

Fonte Casa.com.br

Tem uma mesa de jantar, mas o pontos de luz não está centralizado? Centralize você mesmo! Deslocar o ponto de um pendente é muito mais fácil do que você pensa e pode ficar muito bom. Basta checar a possibilidade desse feito no seu teto e o modelo escolhido para o pendente.

Luminárias de chão e abajures

Fonte Barker

Estes dois são sempre uma ótima pedida! São super charmosos e trazem mais uma camada de luz para a casa, além de serem um acessório bem interessante para compor a decoração.

Painéis luminosos

Fonte Glamour

Além dos abajures, também é válido todo tipo de painel luminoso, quadrinho ou outro decorativo com luz, que possa ajudar a dar aquele clima gostosinho. Não adianta ser só um pontinho de luz, precisa marcar presença!

Essas foram algumas dicas bem básicas e iniciais para você começar a pensar na iluminação da sua casa hoje, usando artifícios relativamente simples e que podem ajudam a criar um clima ainda mais acolhedor e confortável. Então, mão na massa já?

Super abraço,

Ana.